Converte-te e acredite no Evangelho (Edito no momento de escândalos na Igreja)

Iniciar juntos a Quaresma

(Não espero a minha amiga Rita corrigir o meu português tão ruim para partilhar)

Todos os anos, a Igreja nos oferece um momento de conversão para nos preparar para a Páscoa.

Deus escolheu chamar homens e mulheres frágeis para viver e testemunhar seu amor. Ele chamou o povo hebreu. Ele lhe revelou o seu amor, ele o chamou para ir da escravidão no Egito para a Terra Prometida. Nesta jornada, as pessoas experimentaram seu pecado, suas recriminações. Ele também experimentou a presença de Deus, seu Espírito (a nuvem luminosa), a força de sua Palavra. As pessoas se voltaram para falsos deuses, mas Deus não parou de enviar profetas. Ele até enviou o seu próprio Filho, Jesus, para nos chamar para irmos verdadeiramente da morte para a vida, da escravidão do pecado para uma vida em retidão, em comunhão com Deus, com os homens.

Se nos chamamos cristãos, é porque experimentamos esse amor infinito de Deus, de sua confiança, do chamado para testemunhar seu amor. Contudo, em nossa vida pessoal e na Igreja, sentimos muito fortemente tudo o que é morte, ferida, pecado.

Estamos num momento em que a humanidade parece viver mais fortemente esse medo de uma vida em comunhão, essa tentação de retirada, a rejeição do outro. Para dar apenas um exemplo: o sonho de uma Europa fraterna, aberto, construído com determinação após as duas guerras mundiais, não suscita mais o mesmo entusiasmo. Vemos o ressurgimento de feridas que pensávamos do passado: nacionalismo, anti-semitismo, construção de muros, valas entre os povos. Espero que muitos de vocês levem a sério as eleições europeias, para promover projetos que levem a um mundo verdadeiramente fraterno.

Poderíamos sonhar com uma Igreja que é realmente um sinal desse amor de Cristo por todos e descobrimos todos os dias que o pecado a desfigura gravemente, que alguns padres, bispos, cardeais destruíram seriamente pessoas.

Percebemos que durante anos, como em toda a sociedade, o reflexo foi negação, omerta. Não viva este momento tão doloroso como um tempo de perseguição. Vamos recebê-lo como um tempo de purificação, de conversão. O primeiro passo da conversão não é negar a realidade dos fatos, buscar o que os favoreceu, o que deve absolutamente mudar.

Também não devemos nos deixar obcecar por algo que desfigura o mundo, a Igreja. Há tantos sinais da ação do Espírito Santo que não fazem barulho e são tão reais. Vivendo no coração do bairro pobre de Bois l’Abbé, conhecendo pessoas na paróquia de Saint Saturnin, visitando pessoas doentes, especialmente no Hospital Paul d’Egine, estou maravilhado com a expectativa, a confiança que as pessoas têm em relação aos Cristãos, à Igreja, aos padres.

O filme « Grâce à Dieu »[1] termina com esta pergunta: « Você ainda acredita em Deus? « Irmãos e irmãs, neste tempo de provação perante a situação mundial, o escândalo causado por alguns membros da Igreja, entramos profundamente neste tempo da Quaresma para dizer com todas as nossas vidas, cada um pessoalmente e em conjunto » : Sim, eu acredito! Sim, Jesus está vivo e transforma nossas vidas, fazendo da Igreja o que dá sal ao mundo, um corpo feliz em dar graças à ação do Espírito Santo no coração de todos os homens, um corpo comprometido ao lado dos pobres, dos pequeninos.

Tomemos os meios propostos: oração e especialmente a meditação do Evangelho, jejum (não necessariamente comida, mas tudo o que nos obstrui e nos impede de nos abrirmos a Deus e aos outros), partilha (financeira, doação de nossa pessoa, do nosso tempo)… Vamos ser corajosos para promover a reconciliação nas famílias, com os nossos vizinhos, nossos colegas de trabalho, paróquia… não deixe que as pessoas recrimina no deserto e querem voltar para suas antigas correntes. Sejamos pessoas nutridas pela Palavra, guiadas pela nuvem luminosa, preparando-se para repetir o « sim » do seu batismo na Páscoa. Deixe que esses pessoas de fé renovem o seu « creio », não apenas pelos lábios, mas por toda a nossa vida, por nosso compromisso renovado neste tempo tempestuoso.

Padre Bruno Cadart[2]

Quarta-feira, 6 de março de 2019

[1]      Que conta o escândalo do Pe Preynat que abusou mais de 70 crianças nos anos 90 sem as autoridades eclesiais reagir coretamente, o que conduziu o Cardeal Barbarin arquebispo de Lyon a ser condenado pela justiça civil no 7/3/2019 porque não denunciou este padre à justiça (foi herança dos cardeais précédentes). O cardeal anunciou neste mesmo dia que vai renunciar a ser cardeal no dias que vêm.

[2]      Para entrar em contato comigo: cadartbruno@gmail.com e saber quem eu sou www.bruno-cadart.com

Ce contenu a été publié dans Uncategorized. Vous pouvez le mettre en favoris avec ce permalien.

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *